Chapecó / SC - domingo, 19 de agosto de 2018

GARGANTA

DOENÇAS DA BOCA E DA LÍNGUA

 

AFTAS
É uma doença  freqüente que afeta quase toda a mucosa. Surgem como ulcerações superficiais esbranquiçadas, arredondas com cerca de 2 a 5 milímetros de diâmetro. Seu número é variável, muito dolorosas e se curam em 8 ou 10 dias sem deixar cicatriz. Sua causa não é conhecida, mas está associada com traumatismos, com estresse emocional, com doenças digestivas, com alergias alimentares, com doenças autoimunes entre outras associações.

Tratamento:
O tratamento está baseado no alívio da dor, sendo utilizadas medicações tópicas e  por via oral. Nos casos recorrentes e com aftas maiores que o comum, uma investigação mais aprofundada deve ser feita.

 

HERPES LABIAL
É uma infecção viral aguda recorrente que afeta a pele e/ou mucosa de adolescentes e de adultos, produzida pelo vírus do herpes simples. Na fase inicial causam sensação de ardor e de avermelhamento onde logo aparecem pequenas bolhas que se rompem espontaneamente formando crostas. Cicatrizam em cerca de 15 dias. As recorrências são comuns, estando associada com o estresse, com a exposição ao sol e com estados de baixa imunidade.

Tratamento:
O tratamento está baseado no alívio da dor, sendo utilizadas medicações tópicas e  por via oral. Medicações anti-virais também podem ser utilizadas.

 

CANDIDÍASE ORAL
Infecção causada por fungo chamado Candida (monilíase), que leva a formação de lesões esbranquiçadas, que afetam a língua, a mucosa da boca, o palato e a gengiva. Afeta mais comumente pacientes em uso de corticóide, antibióticos, quimioterápicos e os quais têm baixa imunidade. Dor na região afetada e aumento da sensibilidade estão freqüentemente presentes.

Tratamento:
Afastar possíveis fatores causadores e iniciar o uso de medicação antifúngica.

 

FERIDAS NA BOCA
Toda a ferida que dure mais de duas semanas tem de ser avaliada por um médico, pois mesmo que não causando dor, pode ser perigosa.

 

 

DOENÇAS DA FARINGE

 

FARINGITE
A faringite é uma doença inflamatória da mucosa que reveste a faringe e que se apresenta com dor ao engolir. Febre e mal estar geral também podem estar presentes. O revestimento da garganta fica avermelhado, gânglios no pescoço também podem aparecer. Geralmente de causa viral.

Tratamento:
O tratamento é sintomático, sendo utilizados analgésicos e antiinflamatórios. Nos casos de infecção bacteriana antibióticos também são utilizados.

 

 

DOENÇAS DAS AMÍGDALAS

 

AMIGDALITE AGUDA
Doença inflamatória e infecciosa que envolve as amígdalas, sendo mais freqüentemente causada por vírus e bactérias. A maioria dos casos ocorre no outono e inverno, podendo acometer qualquer faixa etária. Os principais sintomas são: dor de garganta, dor para engolir, febre e gânglios aumentados no pescoço. Também pode ocorrer dor de ouvido, fadiga, dor de cabeça, náusea, vômitos e dor abdominal. As amígdalas ficam avermelhadas e com pontos de pus.

Tratamento:
Antiinflamatórios e antitérmicos são utilizados. Nos casos de infecção bacteriana, o uso de antibiótico é necessário para a erradicação do microorganismo.

 

MONONUCLEOSE INFECCIOSA
Infecção causada por vírus que leva a formação de placas esbranquiçadas. Mais comum na adolescência. Causa febre, mal estar, dor de cabeça e aparecimento de gânglios aumentados no pescoço, nas axilas e algumas vezes na virilha.

Tratamento:
O tratamento é sintomático com analgésicos e antitérmicos. Repouso e hidratação também são importantes.

 

AMIGDALITE CASEOSA
Em algumas pessoas, as amígdalas apresentam pequenos orifícios em que restos alimentares se acumulam e dão origem ao caseum (pequenas bolinhas esbranquiçadas que apresentam mau cheiro). Isto pode ser uma causa de mau hálito.

Tratamento:
Enxaguatórios bucais podem ser utilizados. Em casos persistentes o tratamento cirúrgico pode ser considerado.

 

ABSCESSO PERIAMIGDALIANO
É uma complicação de amigdalite, onde ocorre a formação de pus entre a amígdala e a parede da garganta. Os sintomas são similares aos da amigdalite aguda, porém com presença de trismo, que é a dificuldade para abrir a boca.

Tratamento:
A drenagem do abscesso é o passo mais importante. Antibióticos, antiinflamatórios e antitérmicos também são utilizados.

 

INDICAÇÕES DE CIRURGIA DAS AMÍGDALAS
- Amígdalas aumentadas de tamanho, que causem dificuldade respiratória.
- Amigdalites de repetição.
- Abscesso periamigdaliano.
- Suspeita de neoplasia.
- Halitose por amigdalite caseosa.